top of page

Seu retrato, 2012/2021

Resgatar a memória de alguém que nasceu no fim do século XIX é difícil. Principalmente se esse alguém com o passar dos anos foi esquecido e deixou pouca informação a seu respeito. As pessoas com que conviveu não existem mais e as poucas que poderiam ter alguma lembrança dela, na época eram crianças.

Até então as informações que eu tinha indicavam que, tia Nicinha, como era chamada, havia tido um surto e desta forma fora encaminhada para tratamento, tendo sido internada no início de 1930. Ela morreu em 1967. Minha avó dizia que quando ia visitá-la ela não a reconhecia. Passou 37 anos de sua vida internada. É a sua história que pretendo resgatar. Desde 2003, realizo uma pesquisa para levantar informações a seu respeito e já tenho uma visão um pouco mais clara de quem foi Tia Nicinha. Alguns espaços ainda estão em branco, mas, aos poucos, espero conseguir preenchê-los, com fatos ou ficção. Estes dois livros, em sua homenagem, são resultado do resgate de sua memória.

Seu retrato, 2012/2021

Livro objeto.

Fotogravura impressa em papel Hahnemühle.

Seu retrato, 2012/2021

Livro de artista.

Fotogravura impressa em papel Hahnemühle.

bottom of page