top of page

Deusas

Arte contemporanea

Deusas, outra obra surgida da investigação acerca do corpo, monotipias de torso feminino, o corpo como matriz e suporte de transferência da pintura, um ato performático solitário.

Alguns de seus trabalhos são exemplares de suas experiências artísticas, como Deusas (2000), em que seu corpo serve como suporte e meio para a pintura a fim de que, pela tinta espalhada no corpo, sejam compartilhados imagens e sentidos como as pinturas corporais indígena e africana em que o corpo é ornamentado com fins rituais e estéticos; pelo título, com o princípio da experiência sagrada e religiosa; e, pela técnica, com a história da arte ao dialogar com as experiências performáticas do corpo como pincel de Yves Klein.

Adrienne Firmo, 2013

deusas 4.jpg
deusas 5.jpg
deusas 3.jpg

DEUSAS, monotipia do corpo impressa com tinta à base de água sobre papel.

SESC Santos 1.jpg

2002 - Deusas, Bienal Sesc de dança. Santos/SP /Brasil.

Rosa Esteves assume na série atual intitulada Deusas as marcas e demais insígnias conquistadas por sua pele ao usar o próprio corpo como matriz. Antes de se imaginar a obra finalizada, tem-se aqui que levar em consideração o processo de criação como um ritual, pois o gesto de se ornamentar através da pintura remete às necessidades extremas como de defesa ou até de acasalamento segundo códigos de conduta existentes em todas as culturas. Seu torso passa a reconstruir monotipias singulares. Vermelho, preto e branco em tons e densidades variados delimitam a nova existência. Esta forma transposta ao papel, como consequência de uma performance, será ainda demarcada por ornamentos geométricos. O resultado pictórico em partes sobre fundo negro alude pelo jogo de transparências ao resultado de um raio-x, conduzindo o olhar do espectador a volumes, marcas e entranhas supostamente internos.

Tereza Arruda, 2001

Deusas b.jpg
Deusas a.jpg
Deusas 3.jpg

2006 - Aspectos da exposição Água corrente, Centro Cultural São Paulo/SP/Brasil.

Deusas 6.jpg
bottom of page